Cientistas alertam para a urgência de política de proteção para polinizadores

O Brasil possui 191 culturas agrícolas utilizadas para a produção de alimentos – que se tem conhecimento sobre o processo de polinização – das quais 60% são visitadas por polinizadores. São diversas as causas que ameaçam o serviço ecossistêmico de polinização, mas o uso de agrotóxicos são os que geram maior preocupação.

A conclusão é do Relatório Temático sobre Polinização, Polinizadores e Produção de Alimentos no Brasil – e seu respectivo sumário para Tomadores de Decisão – lançado nesta quarta-feira (6/2) pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) e pela Rede Brasileira de Interações Planta-Polinizador (Rebipp). O relatório segue os moldes do diagnóstico global de polinização, lançado em 2015.

Em termos monetários, a polinização representou R$ 43 bilhões em 2018 para o país. Para quantificar, os pesquisadores da Rebbip calcularam o produto da taxa de dependência de polinização pela produção anual considerando 67 cultivos. A soja responde por 60% deste valor, seguida do café (12%), pela laranja (5%) e pela maçã (4%).

berinjela (Foto: Getty Images)

No caso da berinjela, por exemplo, a presença do polinizador específico gera um incremento de cerca de 180g por unidade no produto final, segundo Kayna Agostini, professora da Universidade Federal de São Carlos e coordenadora do estudo. “Isso, na prateleira, faz diferença para o produtor”, pontua.

O relatório demonstra como a vulnerabilidade do serviço ecossistêmico de polinização, como a perda de habitat, mudanças climáticas e, principalmente, o uso de agrotóxicos coloca em risco a produção de alimentos e a conservação da biodiversidade.

A lista de visitantes das culturas agrícolas supera 600 animais, dos quais no mínimo 250 com potencial de polinizador, sendo as abelhas predominantes, representando 66% das espécies, além dos besouros, borboletas, mariposas, aves, vespas, moscas, morcegos e percevejos.

O relatório aponta o manejo de polinizadores nativos como uma oportunidade ainda pouco explorada. O país possui uma grande diversidade de espécies sem ferrão que, além de produzirem méis de qualidade e de alto valor agregado, proveem a polinização de diversos cultivos agrícolas. De acordo com o documento, apenas 16 espécies são manejadas. E há muito o que se aprender, neste sentido, com as práticas de manejo associadas ao conhecimento local e indígena.

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Cientistas alertam para a urgência de política de proteção para polinizadores

Deixe o seu comentário

Você deve estar logado para comentar.