Primata Ardipithecus era mais humano que macaco, aponta estudo

Embora tivesse um pequeno cérebro e um dedão anatomicamente desenhado para trepar em árvores, ele exibia dentes caninos muito semelhantes ao do homem

Um dos mais acalorados debates sobre as origens do Homo sapiens concentra-se em como a espécie africana Ardipithecus ramidus, que viveu há 4,4 milhões de anos, relaciona-se com a linhagem humana moderna. Ardi, como é chamado o primata, habitava a região onde hoje é a Etiópia e tinha características incomuns. Embora tivesse um pequeno cérebro e um dedão anatomicamente desenhado para trepar em árvores, ele exibia dentes caninos muito semelhantes ao do homem, e sua pélvis já estava modificada para o andar bípede, com pés firmes no chão e a coluna ereta.

Os cientistas discordam sobre em que ramo evolutivo deve ser encaixada essa estranha mistura de características. Alguns argumentam que Ardi era um primata com traços humanos herdados de um ancestral da época em que as linhagens dos chimpanzés e dos homens se dividiram, entre 6 e 8 milhões de anos atrás. Outros defendem que a espécie era, na verdade, um parente direto do Homo sapiens, e que ainda exibia elementos de parentes distantes, macacos que pulavam de galho em galho.

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Primata Ardipithecus era mais humano que macaco, aponta estudo

Deixe o seu comentário

Você deve estar logado para comentar.