‘Ele morreu pra mim’, diz filha de acusado de sequestro nos EUA

Angie Gregg falou em entrevista à rede CNN nesta quinta-feira.
Seu pai está preso, acusado de sequestrar três mulheres por 10 anos.

Em uma entrevista à rede americana CNN divulgada nesta quinta-feira (9), Angie Gregg, filha do homem acusado de sequestrar e estuprar três mulheres por dez anos, disse que o pai está ‘morto’ pra ela e que após a revelação do fato, várias “peças se encaixaram”. Segundo ela, o pai sempre mantinha portas fortemente trancadas dentro de sua casa e às vezes deixava a mesa do almoço em família por uma hora ou mais sem nenhuma explicação.

Ariel Castro apareceu nesta quinta pela primeira vez no tribunal e recebeu acusações de sequestro e abuso sexual. Sua fiança foi estipulada em US$ 8 milhões. Duas das mulheres sequestradas já voltaram para a casa das famílias.

Na entrevista, Angie Gregg disse que o Ariel era um pai “amigável e carinhoso”. Chocada com a descoberta, ela disse que nunca quer vê-lo novamente. “Eu fico imaginando, nesse tempo todo, como ele pôde ser tão bom conosco, mas (supostamente) ter levado aquelas jovens mulheres, pequenas garotas, o bebê de alguém, para longe de suas famílias e por tantos anos nunca se sentiu culpado o suficiente para deixá-las ir.”

Um promotor do estado norte-americano de Ohio disse que buscará acusações de homicídio agravado, o que pode levar à pena de morte, contra o pai de Angie Gregg, um ex-motorista de ônibus escolar de Cleveland, acusado de sequestrar e estuprar três mulheres durante uma década de cativeiro em sua casa.

As acusações seriam motivadas pelos abortos forçados sofridos, segundo a polícia, por uma das mulheres capturadas por Ariel Castro.

O promotor do Condado Cuyahoga, Timothy McGinty, disse em entrevista coletiva que seu gabinete tem a intenção de apresentar acusações de sequestro e agressão sexual, bem como de homicídio agravado.

Os promotores também planejam apresentar acusações relacionadas aos muitos abusos sofridos por Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight, assim como pela filha de Amanda, de 6 anos, que nasceu no cativeiro, afirmou McGinty.

“Tenho a intenção de buscar acusações para cada ato de violência sexual, estupro, cada dia de sequestro, cada ataque criminoso e cada ato de homicídio agravado por impedir várias gestações que o infrator cometeu”, afirmou.

zcnadmin

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for ‘Ele morreu pra mim’, diz filha de acusado de sequestro nos EUA

Deixe o seu comentário

Você deve estar logado para comentar.