Entretenimento Música

Roberto Carlos reitera majestade vocal na ‘experiência um pouco rara’ de fazer live

 

 

Com roteiro que surpreendeu ao incluir ‘Caminhoneiro’, ‘Jesus salvador’ e ‘Todos estão surdos’, apresentação ao vivo do cantor foi vista por mais de ‘um milhão de amigos’ na noite do 79º aniversário do artista. Resenha de live
Artista: Roberto Carlos
Data: 19 de abril, das 19h45 às 20h30m
Cotação afetiva: * * * * *
♪ Assim que Roberto Carlos começou a interpretar a canção Como é grande o meu amor por você (1967), música que iniciou a primeira live do cantor na noite deste domingo, 19 de domingo, ficou evidente que o Rei ainda conserva a majestade vocal com emissão e afinação raras.
E isso significa muito na trajetória de um artista que completou 79 anos de vida no dia dessa live histórica sem perder a fidelidade do público que o vem acompanhando em muitos dos 61 anos de carreira iniciada em 1959.
Conceituada pelo cantor como “uma experiência um pouco rara para mim”, a live de Roberto Carlos reforçou os laços do Rei com os súditos.
Nas brechas do roteiro da apresentação ao vivo dirigida por Boninho e transmitida pelo Globoplay e pelo canal oficial de vídeo do cantor (com as duas primeiras músicas exibidas pelo programa Domingo do Faustão), Roberto reforçou o uso da máscara para evitar a contaminação pelo coronavírus e, mais tarde, exaltou os heróis que trabalham durante a pandemia como os profissionais de saúde e os caminhoneiros.
O segundo comentário também foi pretexto para a lembrança de Caminhoneiro (Roberto Carlos e Erasmo Carlos com inspiração em Gentle on my mind, canção de 1967 do compositor John Hartford). Sucesso que impulsionou o álbum lançado pelo artista brasileiro em 1984, Caminhoneiro foi a surpresa de roteiro que também incluiu Canzone per te (Sergio Endrigo, 1968), balada em italiano com a qual Roberto venceu o Festival de San Remo em 1968.
Antes, Roberto deu voz à canção motivacional É preciso saber viver (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1968) e à já esperada Detalhes (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1971) na companhia do maestro Eduardo Lages (ao piano) e do músico Tutuca Borba (nos teclados).

Propagador da fé católica, Roberto Carlos fez oração em forma de canto quando reviveu Nossa Senhora (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1993), uma das mais belas páginas do cancioneiro religioso do compositor devoto. Um coro pré-gravado realçou o tom sacro do número. “(Sobre) essa canção eu não preciso dizer nada. Ela por si diz tudo”, ressaltou antes de cantar Nossa Senhora.
Número dedicado ao público dos países de língua hispânica, nos quais o cantor iniciou carreira em 1965, a fraterna canção Amigo (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1977) teve trechos cantados em espanhol.
Declaração de amor feita por Roberto para a mulher Maria Rita (morta em 1999) em forma de música, Eu te amo tanto (1998) também integrou o repertório dessa apresentação inédita na longa trajetória do artista.
“Solta a batera”, pediu Roberto, solicitando a base pré-gravada que incrementou o canto humanista de Todos estão surdos (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1971), mix de rock e black music com vocais falados.
Roberto Carlos canta músicas como ‘Detalhes’ e ‘É preciso saber viver’ em live
Reprodução de vídeo
“Me atrapalhei um pouco nessa música. Enrolei a letra. Isso acontece nos shows”, justificou Roberto com leveza e sem culpa após o número. Na sequência, Jesus salvador (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1994) reforçou a mensagem humanista do número anterior sob o mesmo foco cristão.
Spiritual do álbum de 1970, Jesus Cristo (Roberto Carlos e Erasmo Carlos) fechou o roteiro musical, mas um prefixo instrumental do Parabéns para você arrematou a live com direito a um bolo cortado pelo aniversariante ao som da base de Jesus Cristo.
A live foi de fato “uma experiência um pouco rara” na carreira de Roberto Carlos, acompanhada por muito mais de um milhão de amigos do rei da voz.

Você também pode gostar...