Depoimentos exclusivos revelam detalhes do assassinato de família no ABC

Administrador

 

Na última quarta (5), Ana e a namorada, Carina, confessaram que fizeram um assalto à casa dos pais, mas negaram a autoria dos assassinatos. Elas já apresentaram três versões do crime à polícia. A polícia está um passo de desvendar o assassinato de uma família em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Esta semana, um cúmplice incriminou Anaflávia Gonçalves e Carina Ramos, e elas acabaram confessando participação no assalto, mas continuam negando envolvimento nas mortes.
O Fantástico teve acesso exclusivo aos depoimentos em vídeo dos suspeitos. Eles deram detalhes daquela noite de terror.
Como imaginar que existe uma inimiga dentro de sua casa? E ela é sua própria filha?
Anaflávia Gonçalves: Eles colocaram os corpos no carro. Eu não vi colocarem os corpos, mas eu tinha certeza que era.
Os corpos aos quais Anaflávia se refere com frieza – são do pai e do irmão dela.
Anaflávia: Minha mãe é aquela. ‘Vamos beber, vamos zoar, falar besteira’. Eu e meu pai não tinha uma relação muito próxima.
Dia 27 de janeiro. O casal de empresários Romuyuki e Flaviana Gonçalves e o filho, Juan, de 15 anos, foram mortos e, depois, queimados dentro do carro da família na região do ABC.
A filha do casal Anaflávia e a namorada dela, Carina Ramos, foram presas dois dias depois e acusadas pela polícia de participação no crime. As duas moravam juntas e a relação com a família de Anaflávia não vinha bem.
Os atritos entre Anaflávia e a família aumentaram muito quando ela ganhou um carro e a namorada transferiu o documento do veículo para o próprio nome segundo parentes, o pai de Anaflávia se revoltou porque Carina demonstrava ter total domínio sobre sua filha.
Elas já apresentaram três versões do crime à polícia. Na última quarta-feira (5), as duas confessaram que fizeram um assalto à casa dos pais, mas negaram a autoria dos assassinatos.
Segundo a polícia, participaram também do crime: Guilherme Ramos da Silva, Jonathan Fagundes Ramos e Juliano Oliveira Ramos Junior. Esses dois últimos, primos da Carina. Jonathan está foragido.
Carina e Anaflávia disseram que a intenção de roubar foi de Juliano.
Anaflávia: Ele falou de fazer uma fita, eu falei que não, mas todo mundo chegou ao consenso que sim. Carina Ramos: Eu falei: ‘vamos, né’. Era, a princípio, pra todo mundo entrar e roubar só o dinheiro que tava na casa da minha sogra, que minha sogra teria.
Por que Anaflávia decidiu se envolver num crime contra a própria família? Ela, a Carina e os comparsas disseram que estavam sem dinheiro. Como a loja de perfumes dos pais teve um bom faturamento no Natal, eles decidiram invadir e roubar a casa.
Delegado: Você chegou a pensar que podia acontecer a morte do pai ou irmão?
Anaflávia: Não pensei.
Delegado: A pessoa que sai armada, você não achou que eles poderiam pensar em reagir?
Anaflávia: Não, porque eles eram muito calmos.
Durante os 40 minutos em que foi interrogada, Anaflávia não se emocionou, não demonstrou arrependimento. Não chorou.
Anaflávia e os comparsas entraram e saíram com o carro dela algumas vezes do condomínio dos pais até que a rua ficasse vazia. Lá fora, ela ligou para o pai e esperou a chegada dele para entrarem juntos em casa.
Os dois entram juntos – um Opala e um Palio. Romuyuki só não sabia que no carro da filha já estavam três comparsas escondidos. Juliano conta como Anaflávia chegou em casa.
Delegado: Cumprimentou o pai?
Juliano: Cumprimentou o pai. Deu abraço.
Delegado: Como foi?
Juliano: Normal, abraçou o pai. Beijou o irmão e entraram pra dentro da residência.
Pouco depois, Anaflávia saiu com a desculpa de ir buscar Carina. Voltou com a namorada e os comparsas, ainda escondidos no carro. O assalto vai começar.
Carina: Na hora que eu decidi entrar, o Juliano, o Guilherme e Jonathan vieram atrás de mim com tudo, aí não teve jeito, entrou todo mundo de uma vez.
Delegado: Eles renderam você? Fingiram que renderam você?
Carina: Sim, fingiram.
Juliano: Pegamos a Carina e entramos pra dentro da casa. O pai tava na cozinha. Tava fazendo frango pra ele comer.
Delegado: E o filho estava onde?
Juliano: O filho tava jogando vídeo game.
Delegado: Na sala mesmo?
Juliano: Na sala mesmo. A Ana sentada do lado dele.
Delegado: Também jogando vídeo game?
Juliano: Também jogando vídeo game.
Delegado: E qual foi a reação da Ana?
Juliano: A Ana ficou em pânico.
Delegado: Ela fingiu ou ficou em pânico?
Juliano: Fingiu entrar em pânico por querer abraçar o menino. Amarramos o moleque, amarramos o pai e subimos com o pai. Eles tavam pedindo a senha do cofre e ele falava que não tinha a senha. Que isso quem tinha a senha era a esposa dele.
Guilherme comenta o comportamento do pai de Anaflávia.
Delegado: Machucou bastante o Romuyuki?
Guilherme: Machucou, porque tinha sangue. Ele falava pra não fazer nada pro filho dele.
Juliano: Eles tavam pedindo a senha do cofre e ele falava que não tinha a senha. Que isso quem tinha a senha era a esposa dele.
Segundo Guilherme e Juliano, foi neste momento que os planos mudaram.
Guilherme: Não conseguimos tirar a senha dele. Subimos, a Carina falou pra nós que pra esperar a mãe, tinha que matar um pelo menos.
Delegado: Porquê isso?
Guilherme: Na hora, ninguém me deu motivo. Porque ela queria a herança do pai. Ela e a Ana.
Delegado: Mas você me disse que a reunião na casa da Carina era só pra roubar.
Juliano: Era só pra roubar.
Delegado: Na hora mudou?
Juliano: Mudou. A Carina mudou tudo. Quando ela falou que tinha que matar o pai ou o moleque pra mãe ver que não tava de brincadeira. Ela queria a senha de tudo. Nesse momento, reuniu todo mundo. Foi aonde a Ana ligou pra mãe dela
Delegado: Elas estavam bebendo cerveja e fumando cigarro?
Juliano: A Ana.
Agora Juliano relata como foi a chegada de Flaviana, a mãe de Anaflávia.
Juliano: Ela olhou pra Carina. Falou: ‘o que que tá acontecendo?’. A Carina falou: ‘já era. Acabou pra você’.
Flaviana tinha a senha do cofre.
Juliano: Pegamos a senha do cofre. Não tinha dinheiro. Só tinha dólar. Tinha um relógio. Tinha corrente, mas o que ela falou pra nós, não tinha. Que era R$ 85 mil.
Segundo Juliano, Carina falou: “Agora a gente vai ter que matar todo mundo”.
Delegado: Porque ela falou que tem que matar todo mundo?
Juliano: Porque ela conversou com a Ana la embaixo. Passou a senha. Falou: ‘ó, a senha ‘nós tem’ tudo agora, celular da sua mãe está aqui, tá com tudo. O que você vai querer? Vai deixar vivo ou vai matar por causa da herança?’. Quando falou que tinha que matar todo mundo mesmo. Aí ela falou, ‘então mata, só que eu não quero ver’.
Delegado: Até do irmão dela, ela concordou?
Juliano: Todo mundo.
Segundo Juliano e Guilherme, Carina matou Romuyuki e Juan por asfixia.
Mas Carina e Anaflávia disseram que ficaram no andar de baixo da casa e não viram os dois serem assassinados.
Guilherme fala da reação da mulher de Romuyuki.
Guilherme: Quando eu saí do quarto, seu Romuyuki estava morto.
Delegado: Qual foi a reação dessa moça?
Guilherme: Ela olhou pra mim com cara de desespero.
Eles deixaram o condomínio em dois carros. Levaram os corpos do pai e do filho e Flaviana, ainda viva, no carro da família.
Surgiu então um impasse: pra onde levar as vítimas. Ana explica friamente:
Anaflávia: Eles falaram: ‘vai ser onde, no montanhão? No sertãozinho ou no montanhão?’. Ele falou, ‘meu, vamos queimar o carro’. A Carina falou ‘cê tá louco, não vai queimar o carro’. Ficou essa discussão no viva voz.
E como fariam isso?
Anaflávia: Eu fui no posto com o Jonathan, ele abasteceu o carro encheu um galão de gasolina.
Juliano conta que a mãe, Flaviana, foi morta na estrada deserta, antes do carro ser incendiado com a família dentro.
Delegado: A senhora morreu lá?
Juliano: No local do carro pegando fogo. A Carina resolveu matar ela.
Carina, porém, também nega ter matado Flaviana.
Veja agora a importância que Anaflávia dá ao comparsa Jonathan, que se feriu ao colocar fogo no pai, na mãe e no irmão dela. E a indiferença com que fala da morte da família.
Anaflávia: Deu a explosão, ele se queimou inteiro e ele ficou todo queimado mesmo, queimou cílios, queimou bigode, queimou bem o cabelo, o peito queimou. A gente voltou correndo pra casa, a Carina acalmou ele. No outro dia ele ficou dormindo e eu sai pra trabalhar normalmente.
Segundo a polícia, Anaflávia, Carina e Juliano dão depoimentos contraditórios.
Eles teriam mentido. Essa seria uma tática de defesa deles: negam os assassinatos para responder apenas pelo roubo – que tem uma pena menor. Só com uma reconstituição e quando eles forem colocados frente a frente, a polícia vai saber qual a participação real de cada no crime.
Delegado: A Carina ou a Anaflávia decidiram voltar atrás quando vocês estavam roubando?
Juliano: Nenhuma das duas.
Em pensar que era pra ser só a visita de uma filha numa segunda-feira qualquer.

Deixe uma resposta

Next Post

Irã fracassa em pôr satélite em órbita

  EUA acusam país de encobrir o desenvolvimento de mísseis com programa espacial. Ministro de telecomunicações iraniano diz que, apesar da falha, projeto é ‘imparável’. O Irã lançou um satélite ao espaço “com sucesso” neste domingo (9), mas não conseguiu colocá-lo em órbita. A falha representa um revés para programa espacial do país, acusado pelos Estados Unidos de encobrir o […]